‘taco-a-taco’-reabre-teatro-da-politecnica-em-2023-com-sessao-gratuita

‘Taco a taco’ reabre Teatro da Politécnica em 2023 com sessão gratuita

‘Taco a taco’, dos dramaturgos escoceses Kieran Hurley e Gary McNair, centra-se em dois rapazes, um dos quais vítima de ‘bullying’, que marca um ajuste de contas com o agressor à porta da escola secundária que ambos frequentam.

Estreada em março de 2022, a peça é o terceiro texto encenado por Pedro Carraca que põe em palco problemas de adolescentes, depois das peças ‘Birdland’, do inglês Simon Stephens, e ‘Lua Amarela’, do escocês David Greig, estreadas em abril e novembro de 2021, respetivamente.

A ação da peça desenrola-se durante uma hora, a que antecede a confrontação entre os dois adolescentes, Max Brocklehurst e Stevie Nimmo, ambos de 13 anos, quando se encontram fechados na casa de banho da sua escola secundária, na Escócia, e se preparam para o que vai acontecer, disse à Lusa Pedro Carraca, na altura da estreia da peça, no início do ano passado.

Violência e masculinidade são duas questões implícitas no espetáculo que não retrata apenas uma brincadeira despreocupada entre adolescentes, expondo também a nocividade de atitudes machistas, já que ambos são capturados numa esparrela de séculos, reciclando imagens cansadas e prejudiciais de masculinidade.

“A peça fala do que é ser adolescente, mas também do que se espera dos rapazes na sua passagem para homens”, sublinhou Pedro Carraca à Lusa, quando da estreia.

‘Taco a taco’ tem tradução de Eduardo Calheiros e interpretação de Marco Mendonça e Tiago Dinis.

A cenografia e figurinos são de Rita Lopes Alves, com a colaboração dos alunos do 12.º I da Escola Artística António Arroio. A luz é de Pedro Domingos e, o som, de André Pires.

‘Taco a Taco’ mantém-se no Teatro da Politécnica até 28 de janeiro, com récitas de terça a quinta-feira, às 19:00, sexta-feira, às 21:00, e sábado às 16:00.

Também no dia 12, mas no Teatro Municipal da Guarda, os Artistas Unidos apresentarão ‘Vida de Artistas’, texto do dramaturgo inglês Noël Coward (1889-1973) que foi a última encenação de Jorge Silva Melo, fundador e diretor artístico da companhia, de 1995 até à morte, em 14 de março de 2022.

Estreada no Teatro S. Luiz, em Lisboa, nove dias depois da morte do ‘mestre e timoneiro’ dos Artistas Unidos, ‘Vida de artistas’ foi escrita ‘para cumprir um pacto celebrado entre o dramaturgo inglês e os seus dois amigos Alfred Lunt e Lynn Fontanne, que eram conhecidos como os ‘Lunt’ e se tornaram no mais celebrado casal do teatro na América’, no início dos anos dez do século passado.

Porém, quando Coward os visitou em Nova Iorque em 1921, estavam a começar a viver num alojamento barato para atores em dificuldades, escreveu Jorge Silva Melo na folha de sala do espetáculo.

‘Coward também ainda era relativamente desconhecido, mas partilhava com Lunt e Fontanne uma fome por fama e sucesso. A produção estreou-se na Broadway em 1933 e, depois, em Inglaterra, com imediato sucesso crítico e comercial, apesar das suas personagens amorais e da proclamada bissexualidade’, acrescentava o ator, encenador, realizador e tradutor.

Escrita em 1932 e adaptada ao cinema por Ernst Lubitsch, um ano depois, com Gary Cooper, Fredric March e Miriam Hopkin nos papéis principais, a peça só chegou ao Reino Unido seis anos mais tarde, onde havia gerado controvérsia.

Otto (Nuno Pardal), Gilda (Rita Brütt), Ernest (Américo Silva), Leo (Pedro Caeiro) e a empregada Miss Hodge (Antónia Terrinha) são as personagens centrais da peça cuja estrutura perpassa temas como a ambiguidade sexual, a bissexualidade, a monotonia que se instala no quotidiano das relações amorosas, o sucesso e a partilha do outro.

‘Vida de artistas’, uma coméda que acaba por ser inquietante ao ‘escarafunchar’ as profundezas do ser humano, foi a segunda peça de Noel Coward produzida pelos Artistas Unidos e encenada por Jorge Silva Melo, depois de ‘Vidas íntimas’.

Com tradução de José Maria Vieira Mendes (e publicada na coleção Livrinhos de Teatro juntamente com ‘Vidas íntimas’), a peça conta também com interpretação de Ana Amaral, Jefferson Oliveira, Pedro Cruzeiro, Raquel Montenegro e Tiago Matias.

Com cenografia e figurinos de Rita Lopes Alves, coordenação técnica de João Chicó, som de André Pires e luz de Pedro Domingos, ‘Vida de artistas’ tem Nuno Gonçalo Rodrigues e Noeli Kikuchi comno assistentes.

Produzida pelos Artistas Unidos e pelos teatros Nacional S. João e Municipal S. Luiz, a peça também subirá ao palco do TECA — Teatro Carlos Alberto, Porto, de 19 a 22 de janeiro, e ao do Teatro Aveirense, no dia 27.

O trabalho de cenografia de Rita Lopes Alves para ‘Vida de artistas’ foi selecionado para a 15.ª Quadrienal de Praga — PQ23, marcada para junho na capital da República Checa.

Segundo um comunicado divulgado em 22 de dezembro no ‘site’ da Direção-Geral das Artes (DGArtes), ‘o trabalho de Rita Lopes Alves (…) foi selecionado para a secção ‘Fragmentos II: A Magia da Escala’ da 15ª. Quadrienal de Praga – PQ23′, certame internacional dedicado à cenografia e arquitetura teatral.

Leia Também: Teatro S. João apresenta cinco espetáculos desenvolvidos com europeus

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

Compartilhe nas redes sociais

Benvindo(a) à Radio Manchete. 📻

Ouvir 📻
X