viseu.-teatro-viriato-com-ciclos-tematicos-e-estreias-nos-proximos-meses

Viseu. Teatro Viriato com ciclos temáticos e estreias nos próximos meses

“Com a entrada do novo ciclo de financiamento, e estando atentos à realidade que nos rodeia, defendemos que o Teatro Viriato tem a responsabilidade de fomentar o debate, a sensibilização, a formação e a reflexão sobre temas prementes na sociedade atual”, justificou Henrique Amoedo, em conferência de imprensa.

No primeiro dos ciclos de programação temática, “a ideia é levar os diferentes públicos a pensarem o 25 de Abril”, desde os mais novos aos seus pais e avós, explicou.

Segundo o sucessor de Patrícia Portela, haverá várias oficinas — como ‘A canção de intervenção’ e ‘Conta-me como foi e como pode ser’ – e os trabalhos “serão concluídos no dia 25 de Abril, com uma grande marcha pela cidade”, desde o Teatro Viriato até ao Rossio.

O objetivo é preparar “o pensamento para o que acontece no próximo ano”, para o qual está prevista “uma grande celebração”, frisou.

‘Urgências’ é o nome do segundo ciclo, que este ano será dedicado às alterações climáticas, com a realização de caminhadas, oficinas, performances, espetáculos, conversas e um concerto.

Henrique Amoedo contou que quando a nova direção estava a pensar a programação, “num momento de absoluto caos, com centenas de propostas” em cima da mesa, se apercebeu de que havia várias direcionadas para a emergência climática.

‘Do princípio de mundo’, de Fernando Mota, ‘Conversas urgentes’, sobre sustentabilidade, energias renováveis e projetos de conexão com a natureza e o concerto ‘Mão Verde II’, da autoria de Capicua, Pedro Geraldes, Francisca Cortesão e António Serginho são algumas das iniciativas integradas neste ciclo.

Numa temporada em que o Teatro Viriato integra 18 coproduções, irá também acolher estreias de trabalhos artísticos como “Dolo”, do encenador Jorge Fraga, que aborda a teatralidade da justiça, e ‘Take my breath away’, da dramaturga Sónia Barbosa, sobre os problemas e desafios da Europa.

Será ainda lançado o álbum ‘Sr. Jorge ou a beleza dos encontros’, de Jorge Novo, Rui Sousa, Nuno Duarte, João Pedro Silva e Pedro Gonçalves de Oliveira e um espetáculo de dança para bebés e crianças intitulado ‘O patinho feio’, da companhia norueguesa Didwykdans, que integra dois intérpretes da Dançando com a Diferença.

Hoje foi também anunciado o novo programa de residências de criação ‘Mi casa, tu casa’, através do qual o Teatro Viriato pretende dar condições para a criação artística sem que os artistas fiquem obrigados a apresentar um trabalho final.

Henrique Amoedo explicou aos jornalistas que o objetivo é acompanhar artisticamente o processo de criação, do princípio ao fim: “poder estar junto dos artistas, discutir a sua obra, dar ‘inputs'”, unindo “a experiência da equipa do Viriato nesse acompanhamento dos artistas, sem a obrigatoriedade de existir um trabalho final”.

“O que acontece muito hoje é que há vários espaços de residência, mas sempre vinculam à apresentação do resultado final. E nós entendemos que o artista às vezes pode não querer apresentar o resultado final, pode querer apenas estudar ou fazer um trabalho de pesquisa, porque isso é importante nesse momento na sua carreira”, justificou.

No seu entender, este programa contribuirá para que Viseu tenha mais artistas — que podem ser locais, nacionais e internacionais – que “ajudam a movimentar o próprio teatro” e também a economia da cidade.

Leia Também: Morreu o poeta Charles Simic, vencedor de um Prémio Pulitzer

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

Compartilhe nas redes sociais

Benvindo(a) à Radio Manchete. 📻

Ouvir 📻
X