angola-e-zambia-vao-impulsionar-“cooperacao-mais-atuante”-entre-paises

Angola e Zâmbia vão impulsionar “cooperação mais atuante” entre países

O presidente angolano, quando discursava na abertura do encontro de trabalho entre as delegações dos dois países, salientou que apesar dos mais variados acordos, memorandos e protocolos assinados até à presente data, os resultados da cooperação económica e do intercâmbio comercial “são ainda pouco expressivos” e longe das ambições.

“Por isso, devemos desenvolver uma cooperação mais atuante, que melhor aproveite os nossos vastos recursos, a capacidade e habilidade dos nossos povos e o dinamismo dos seus governantes, no sentido de se alterar este quadro”, disse o chefe de Estado angolano.

De acordo com o Presidente angolano, o mercado do país está aberto a uma maior presença de investidores zambianos, para edificar na prática uma base de cooperação mutuamente vantajosa para os dois Estados.

O chefe de Estado angolano frisou que Angola pretende estabelecer uma “verdadeira parceria” com a Zâmbia, promovendo e alargando os laços de amizade e de cooperação económica, com destaque para a edução, cultura, ciência, produção agropecuária, indústrias extrativas e transformadora das matérias-primas, interligação rodoviária, ferroviária e elétrica.

“Assim, considero que a visita de vossa excelência representa uma grande oportunidade para abordarmos a melhor forma de impulsionarmos com sentido prático todas as iniciativas existentes, para que se possam colher os melhores benefícios da cooperação que vier a ser desenvolvida em tais domínios, que resultarão seguramente me vantagens recíprocas significativas”, disse.

João Lourenço considerou que os instrumentos jurídicos a serem hoje assinados, ligados aos setores da agricultura, energia, infraestruturas, indústria, justiça, formação especializada no domínio da administração pública, vão “seguramente” impulsionar as trocas comerciais e o investimento cruzado das respetivas economias.

Entre os instrumentos jurídicos a serem assinados, destacou o memorando de entendimento entre o Ministério das Obras Públicas, Urbanismo e Habitação de Angola e o Ministério das Infraestruturas, Habitação e Desenvolvimento Urbano da Zâmbia, para facilitar a construção da estrada de ligação Angola/Zâmbia, via fronteira do Jimbe, “que dará um grande impulso ao desenvolvimento do setor privado, com a massificação do movimento de investidores e de turistas nos dois sentidos”.

O chefe de Estado sublinhou que Angola pretende colocar as infraestruturas do Corredor do Lobito, que compreende o Porto Comercial do Lobito, o terminal mineiro do mesmo porto e a linha dos Caminhos de Ferro de Benguela, com o ramal do Luacano a ser construído em breve, na província do Moxico, ao serviço das economias dos países da região, nomeadamente da Zâmbia e da República Democrática do Congo.

“Outras iniciativas importantes poderão dar o necessário impulso à nossa cooperação, como é o caso em estudo do projeto de eletrificação transfronteiriça entre os dois países, que ajudarão a impulsionar o crescimento das zonas fronteiriças e ainda o projeto em curso de construção do canal navegável Rivungo/Xangongo e respetivas infraestruturas essenciais para o transporte de passageiros de carga entre os dois países, reduzindo os riscos que as populações das regiões incorrem nas travessias com a utilização de embarcações artesanais”, disse.

Por sua vez, o Presidente da Zâmbia, Hakainde Hichilema, que está em Luanda desde terça-feira para uma visita oficial de três dias, defendeu a necessidade de se passar da teoria à prática.

Hakainda Hichilema, que enalteceu os laços de amizade e cooperação entre os dois países, disse que os líderes sabem o que deve ser feito para impulsionar e estreitar as relações económicas e os investimentos, nomeadamente em infraestruturas, destacando a importância do Corredor do Lobito.

“Uma das coisas que estamos de acordo, o Presidente João Lourenço e eu, é que não podemos continuar apenas a assinar documentos, temos de os implementar. O que já foi assinado no passado e o que assinámos hoje tem de ser implementado”, salientou, notando ainda a importância do aumento das trocas comerciais.

O Presidente zambiano elogiou também o papel e liderança de Angola para estabelecer a paz e estabilidade na região. 

Leia Também: Angola no ‘top 10’ das preferências para emigrar para fora da Europa

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

Compartilhe nas redes sociais

Benvindo(a) à Radio Manchete. 📻

Ouvir 📻
X