empresas-podem-ter-de-devolver-apoio-ao-gas-natural-e-erse-monitorizara

Empresas podem ter de devolver apoio ao gás natural e ERSE monitorizará

Num documento hoje publicado, em que explica como vai funcionar este desconto, que chega às faturas das empresas em fevereiro, a ERSE – Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos disse que “tanto os clientes como os comercializadores ficam obrigados à devolução dos montantes que tenham sido indevidamente obtidos, designadamente quando se verifiquem desvios entre o consumo reportado e o consumo real, ou sejam detetadas inconformidades em outros dados que impactem no valor do apoio obtido”.

De acordo com o mesmo documento, “os comercializadores e os seus gestores são responsáveis pelas informações fornecidas e pelos fluxos financeiros gerados no âmbito da aplicação do presente decreto-lei, sendo responsáveis por quaisquer inexatidões ou incorreções nessas declarações”.

Além disso, adiantou o regulador, “os comercializadores com clientes abrangidos por este regime de apoio enviam à ERSE, até 30 de junho de 2024, um relatório de auditoria elaborado por uma entidade independente que certifique o cálculo e aplicação dos descontos, bem como os montantes deduzidos às faturações dos clientes e os recebidos do GTG [Gestor Técnico Global do Sistema Nacional de Gás]”.

“No mesmo prazo, o GTG envia à ERSE relatório de auditoria que certifique as transferências realizadas”, indicou a entidade, destacando que o regulador “pode ainda emitir orientações vinculativas sobre os termos dos relatórios previstos, bem como proceder oficiosamente a ações de supervisão e controlo e emitir instruções e diretivas, tendo em vista a correta aplicação do presente decreto-lei”.

O apoio aos consumidores industriais de gás natural será feito através dos comercializadores e aplicado a partir de janeiro, com reflexo na fatura de fevereiro, explicou à Lusa o ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, no dia 09 de dezembro.

A medida, criada para mitigar o impacto do aumento dos preços da energia, foi aprovada no Conselho de Ministros em outubro, estando previsto um orçamento de 1.000 milhões de euros a aplicar este ano.

Segundo o ministro do Ambiente, o apoio tem como objetivo “reduzir a tarifa do gás para consumidores com consumos superiores a 10.000 metros cúbicos, ou seja, aqueles que estão fora da tarifa regulada do gás”.

Este apoio começa a ser operacionalizado em janeiro e “será feito através dos comercializadores num desconto da fatura do mês seguinte”, disse Duarte Cordeiro.

Porém, acrescentou o ministro, “quando o preço está abaixo do mercado do gás, abaixo dos 30 euros megawatt-hora, não haverá nenhum tipo de redução, porque corresponde a um preço que identificámos como sendo o preço aproximado do período antes da guerra [da Ucrânia]”.

Já quando o preço for superior a 30 euros megawatt hora (MWh) “haverá um apoio que terá até um máximo de 40 euros MWh”, indicou.

Este apoio será aplicável a 80% da média do consumo de cada cliente, “no âmbito do cumprimento das metas de redução do consumo de gás”, de acordo com o que foi anunciado pelo Governo.

Leia Também: Moçambique. Tribunal britânico rejeita impugnação a financiamento de gás

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

Compartilhe nas redes sociais

Benvindo(a) à Radio Manchete. 📻

Ouvir 📻
X