trabalhadores-da-tap-protestam-em-silencio-pela-demissao-da-administracao

Trabalhadores da TAP protestam em silêncio pela demissão da administração

Na mensagem transmitida entre trabalhadores, a que a Lusa teve acesso, os trabalhadores da companhia aérea são chamados a manifestar-se de forma “pacífica e silenciosa”, durante a hora de almoço.

“Vamos exigir a sua demissão [do Conselho de Administração]”, lê-se na missiva. “Vamos de forma ordeira mostrar a [email protected] [email protected] que a TAP não é Versailles e que não têm o nosso apoio nem nos podem exigir sacrifícios enquanto recolhem para eles benefícios despesistas”, acrescentam.

Mais de uma centena de trabalhadores respondeu ao apelo e encontra-se concentrada em silêncio, por vezes interrompido por assobios, à porta das instalações da TAP, onde tentaram também impedir a saída de alguns veículos.

Os manifestantes, que deverão pertencer a vários setores da companhia aérea, não querem prestar declarações aos jornalistas.

Em declarações aos jornalistas, Cristina Carrilho, da Comissão de Trabalhadores da TAP, disse estar “solidária” com a concentração espontânea, cujos motivos “têm a sua justeza”.

“Foi a indemnização de 500.000 euros dada à ex-administradora Alexandra Reis, agora são 450 euros para utilizar em Uber àqueles diretores que não tiveram carro da empresa, porque o negócio dos BMW ‘borregou’, como se diz em gíria de aviação, e também a denúncia dos AE [acordos de empresa] e as propostas que estão a ser apresentadas aos sindicatos que, por aquilo que os sindicatos têm dito, efetivamente, não são boas para os trabalhadores, cortam muitos direitos e, portanto, os trabalhadores estão descontentes”, disse a representante.

Cristina Carrilho lembrou que os trabalhadores da TAP têm os vencimentos reduzidos e considerou que “estão no seu direito de exigir a demissão da administração”, que “pôs o pezinho na poça com algumas questões”.

A TAP tem sido protagonista de vários casos na comunicação social, entre os quais a polémica indemnização de 500.000 euros a Alexandra Reis que motivou demissões no Governo.

A companhia aérea está a ser alvo de um plano de reestruturação que inclui cortes salariais aos trabalhadores e que motivou uma greve de tripulantes em dezembro, estando outra já marcada para o final deste mês..

Leia Também: Fim de cortes na TAP? CT exige devolução de 500 mil mais “bem empregues”

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

Compartilhe nas redes sociais

Benvindo(a) à Radio Manchete. 📻

Ouvir 📻
X