onu-exige-que-rebeldes-congoleses-abandonem-kivu-do-norte-ate-domingo

ONU exige que rebeldes congoleses abandonem Kivu do Norte até domingo

O M23 é acusado desde novembro de 2021 de realizar ataques contra posições do exército no Kivu do Norte, apesar de as autoridades congolesas e o M23 terem assinado um acordo de paz em dezembro de 2013, após os combates registados desde 2012 com o exército, que contou com o apoio de tropas das Nações Unidas.

A situação desencadeou um aumento das tensões entre a República Democrática do Congo e o Ruanda, pois Kinshasa acusa Kigali de apoiar os rebeldes. Num relatório recente, especialistas das Nações Unidas afirmaram que as autoridades ruandesas mantêm uma “intervenção direta” no país africano através do apoio ao grupo.

“É imperativo que, antes de 15 de janeiro, o M23 se retire incondicionalmente de todas as posições que atualmente ocupa nos territórios Rutshuru, Masisi e Nyiragongo, e se limite à zona do Monte Sabinyo”, lê-se num comunicado da Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo (Monusco) publicado na sua conta na rede social Twitter.

A Monusco exige ainda que o grupo cesse “imediatamente” as hostilidades e se junte “incondicionalmente” ao programa de desarmamento do Governo congolês.

“Mais de meio milhão de civis foram deslocados pelas operações do M23 desde novembro de 2021, criando enormes necessidades humanitárias. Essas populações devem poder voltar para as suas casas”, acrescenta a organização.

O porta-voz do grupo M23, Lawrence Kanyuka, lamentou, também através do Twitter, a declaração da Monusco, acusando-a de praticar um exercício de “hipocrisia” dada a sua incapacidade de travar outros conflitos armados no nordeste do país, nomeadamente as atrocidades cometidas por milícias como a Cooperativa para o Desenvolvimento do Congo (Codeco) na região vizinha de Ituri.

Na passada sexta-feira, uma delegação do M23 prometeu ao mediador internacional e ex-presidente queniano, Uhuru Kenyatta, que vão continuar a retirar-se de forma “ordeira” das áreas que ocuparam.

O M23 foi criado em 2012 como uma dissidência do extinto Congresso Nacional para a Defesa do Povo (CNDP), um grupo de rebeldes maioritariamente de origem ruandesa que combateu as FDLR no país e depois se juntou ao Exército da RDCongo depois do acordo de 23 de março de 2009, que dá o nome ao grupo.

Assim, os rebeldes do recém-fundado M23 desertaram do exército para renegociar aquele acordo de paz e melhorar as suas condições de vida.

O leste da RDCongo está mergulhado num conflito alimentado por milícias rebeldes e pelo Exército há mais de duas décadas, apesar da presença da missão de paz das Nações Unidas, com mais de 16.000 militares uniformizados no terreno.

Angola tem mediado negociações de paz entre Ruanda e República Democrática do Congo.

Leia Também: Julgamento de ativistas na Grécia é “precedente perigoso”

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

Compartilhe nas redes sociais

Benvindo(a) à Radio Manchete. 📻

Ouvir 📻
X