alberto-amaral-preside-a-comissao-para-avaliacao-do-ensino-superior

Alberto Amaral preside à comissão para avaliação do Ensino Superior

Alberto Amaral e Helena Nazaré foram escolhidos pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior para serem, respetivamente, presidente e vice-presidente da comissão independente que vai promover a avaliação do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior (RJIES). A equipa tem até ao final do ano para apresentar conclusões.

O ministério revelou, em comunicado, que Alberto Amaral, presidente do conselho de administração da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior entre os anos 2008 e 2020 irá presidir à comissão.

Já Helena Nazaré, que foi presidente do Conselho Coordenador do Ensino Superior entre 2015 e 2019 e presidente da Associação Europeia das Universidades de 2012 a 2015, irá assumir a vice-presidência.

O ministério da Ciência avançou ainda que irão integrar a comissão Célia Reis, vice-presidente da Cap Gemini Internacional e sucessora de Helena Nazaré como presidente do Conselho Coordenador do Ensino Superior, Cláudia Sarrico, professora catedrática da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho e João Cunha Serra, professor jubilado do Instituto Superior Técnico e antigo coordenador do Departamento do Ensino Superior e Investigação da FENPROF.

De entre os membros que vão integrar a comissão conta-se ainda João Redondo, presidente da Aliança das Instituições de Ensino Superior Não Estatais na Europa (EUPHE), Joaquim Mourato, diretor-geral do Ensino Superior e Joel Rodrigues, presidente da mesa de Assembleia Geral da Federação Nacional de Associações de Estudantes do Ensino Superior Politécnico.

Ana Cabilhas, presidente Federação Académica do Porto (FAP) e representante dos estudantes do ensino superior universitário no Conselho Nacional de Educação, também integra a equipa.

Segundo o ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, a comissão surge da necessidade de avaliar o RJIES, para “fortalecer as instituições de ensino superior e de I&D (investigação e desenvolvimento)”, defendida pela ministra Elvira Fortunato e pelo secretário de Estado Pedro Nuno Teixeira.

As conclusões da comissão devem ser conhecidas pelo ministério até dezembro de 2023 e irão ser depois discutidas publicamente com as “comunidades académica e científica, estudantes, sindicatos e representantes da sociedade civil”.

“Esta iniciativa acolhe também as recomendações do Conselho Nacional de Educação, da Assembleia da República, bem como o próprio RJIES, que prevê uma avaliação regular do diploma”, concluiu o ministério, em nota de imprensa.

Compartilhe nas redes sociais

Benvindo(a) à Radio Manchete. 📻

Ouvir 📻
X