ucrania.-wallace-diz-que-envio-de-tanques-e-“o-pacote-mais-significativo”

Ucrânia. Wallace diz que envio de tanques é “o pacote mais significativo”

O ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, confirmou mais apoio militar à Ucrânia, anunciando o fornecimento de 14 tanques Challenger 2 e estabelecendo uma série de outros detalhes.

Hoje posso anunciar o pacote de poder de combate mais significativo até ao momento para acelerar o sucesso ucraniano. Isso inclui um esquadrão de tanques Challenger 2 com veículos blindados de recuperação e reparo”, avançou Wallace ao parlamento britânico.

De acordo com a Sky News, o pacote de ajuda militar inclui ainda 30 canhões AS90.

“Seremos o primeiro país a doar os principais tanques de batalha ocidentais. Mesmo enquanto presenteamos os tanques Challenger 2, ao mesmo tempo analiso o número de conversões do Challenger 3 para considerar se as lições da Ucrânia sugerem que precisamos de uma frota de tanques maior”, afirmou Wallace.

Entretanto, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensly, reagiu ao envio de mais ajuda militar para a Ucrânia – já anteriormente anunciado pelo seu homólogo britânico – e agradeceu a Rishi Sunak, a Ben Wallace e ao povo britânico pela “poderosa contribuição para a nossa vitória comum sobre a tirania”.

“Tanques e artilharia são exatamente o que a Ucrânia precisa para restaurar a sua integridade territorial”, afirmou o líder, numa publicação na rede social Twitter.

Tanks, APCs and artillery are exactly what Ukraine needs to restore its territorial integrity. Thank you @RishiSunak, thank you @BWallaceMP, thank you British people for this powerful contribution to our common victory over tyranny.

— Володимир Зеленський (@ZelenskyyUa) January 16, 2023

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, desvalorizou, esta segunda-feira, o envio de tanques do Reino Unido à Ucrânia e frisou que os veículos “vão arder tal como os outros”.

Com o envio dos Challenger 2, o Reino Unido torna-se na primeira potência ocidental a enviar tanques de primeira linha para Kyiv, que tem multiplicado os pedidos de apoio em material e equipamento militares. Isto apesar dos receios, no seio da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), de que esta decisão possa ser considerada pela Rússia como uma escalada da guerra.

O conflito entre a Ucrânia e a Rússia começou com o objetivo, segundo Vladimir Putin, de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia. A operação foi condenada pela generalidade da comunidade internacional.

A ONU confirmou que cerca de sete mil civis morreram e mais de 11 mil ficaram feridos na guerra, sublinhando que os números reais serão muito superiores e só poderão ser conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

Leia Também: “Vão arder todos”. Kremlin desvaloriza envio de tanques para a Ucrânia

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

Compartilhe nas redes sociais

Benvindo(a) à Radio Manchete. 📻

Ouvir 📻
X