Ações do Credit Suisse caem 30% para novo mínimo na bolsa de Zurique


As ações do banco sediado em Zurique, um dos 20 maiores da Europa e um dos 50 maiores do mundo, caíram abaixo de dois francos suíços (2,04 euros) pela primeira vez a meio da manhã, mas continuaram a sua queda livre e agora situam-se em 1,5 francos (1,54 euros).


O mergulho, que se segue a vários dias muito negativos para o banco, arrastado pela crise bolsista causada pelo colapso do Silicon Valley Bank (SVB) com sede nos EUA, coincide com declarações do presidente do banco estatal saudita, Ammar al-Khudairy, a anunciar que não haverá mais injeções de capital por parte do banco.


“Não podemos porque excederíamos 10% (da participação), é uma questão regulamentar”, disse Ammar al-Khudairy à Bloomberg.


O banco saudita adquiriu esses 10% de ações no ano passado no aumento de capital lançado pelo Credit Suisse, um investimento no qual o banco do Médio Oriente investiu 1.500 milhões de francos suíços (1.530 milhões de euros).


Em 2022, o banco sediado em Zurique registou uma perda de 7.293 milhões de francos suíços (cerca de 7.400 milhões de euros), 4,5 vezes mais do que em 2021.


Afetado pela sua exposição a empresas de risco financeiramente problemáticas, como a Archegos ou a Greensill, o Credit Suisse também sofreu levantamentos de liquidez de 123.200 milhões de francos suíços (126.000 milhões de euros) no ano passado.


 


Compartilhe nas redes sociais

Benvindo(a) à Radio Manchete. 📻

Ouvir 📻
X