lucros-da-navigator-crescem-42%-para-72-milhoes-no-1.o-trimestre

Lucros da Navigator crescem 42% para 72 milhões no 1.º trimestre

O grupo obteve um volume de negócios de 501 milhões de euros, uma subida de 2% face ao primeiro trimestre de 2022, tendo o EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) atingido 131 milhões de euros, um crescimento de 8% em termos homólogos.

“Após um ano de escassez de oferta no mercado, levando a um volume anormal de encomendas, o primeiro trimestre de 2023 foi marcado pela acumulação de um elevado volume de ‘stocks’ em toda a cadeia de distribuição, que condicionou significativamente a procura em todos os segmentos de papel, à exceção do segmento de ’tissue’ [papel para guardanapos, lenços, papel higiénico, etc]”, indicou a empresa na mesma nota.

Segundo a Navigator, “o processo de ‘destocking’, que já se vem a verificar desde o segundo semestre de 2022, está a demorar mais tempo do que o antecipado”, esperando-se que “a completa regularização dependerá da normalização das cadeias de fornecimento, de um maior ou menor abrandamento económico e da perceção de mercado em relação à evolução do nível de preços”.

Assim, o volume de vendas de papel “registou uma quebra de 16% face ao período homólogo, num enquadramento em que persiste um elevado volume de ‘stocks’ ao longo de toda a cadeia de distribuição e um forte abrandamento económico”. No entanto, “os preços mantêm-se em níveis historicamente altos, o que a par com o enriquecimento do ‘mix’ de produtos, permitiu compensar o decréscimo de volumes”, disse a empresa.

Por sua vez, o ‘packaging’ (embalagens) foi “o segmento onde mais rapidamente se sentiu o forte abrandamento da procura”, sendo que a empresa realçou que, “apesar do contexto desfavorável, este novo segmento continua a revelar aspetos positivos, como o reconhecimento da qualidade dos nossos produtos e da marca gKraft”.

Já o volume de vendas de pasta “aumentou 75% face ao trimestre anterior, e 19% face ao 1.º trimestre de 2022”, destacou, explicando que a “menor integração em papel no trimestre aumentou a disponibilidade de pasta para venda”.

No segmento de papel ’tissue’, “a procura de produto acabado mostrou-se resiliente, permitindo um bom desempenho das vendas, que impulsionadas pela evolução de preços, evidenciam um crescimento de 27% face ao período homólogo e uma queda de 2,4% face ao último trimestre”, referiu.

A empresa recordou que em 31 de março “foi concluída a operação de aquisição do negócio de “Consumer” em Espanha do Grupo Gomà-Camps”.

O grupo destacou que “a integração desta nova fábrica permitirá à Navigator posicionar-se como o segundo maior produtor ibérico de ’tissue’, adicionando 35 mil toneladas de capacidade de produção de papel ’tissue’, para um total de 165 mil toneladas”.

A agora denominada Navigator Tissue Ejea fechou este trimestre “com um volume de negócios superior a 32 milhões de euros”, ainda “não consolidado nos resultados do segmento este trimestre, dado estar registada como participação financeira”, explicou.

No primeiro trimestre, o montante total de investimentos do grupo ascendeu a 42 milhões de euros, face a 15 milhões de euros no período homólogo e 48 milhões de euros no trimestre anterior.

“O montante de investimento do trimestre inclui maioritariamente investimentos direcionados para a manutenção da capacidade produtiva, modernização dos equipamentos e melhoria de eficiência, projetos estruturais e de segurança”, revelou.

As ações da Navigator fecharam a subir 0,12% para 3,38 euros.

[Notícia atualizada às 18h43]

Leia Também: Navigator elege em 17 de maio órgãos sociais para triénio 2023-2025

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

Compartilhe nas redes sociais

Benvindo(a) à Radio Manchete. 📻

Ouvir 📻
X